AgirAzul Memória
Todo o conteúdo editorial da publicação em papel de 1992 a 1998
Pesquise em todo o conteúdo
AgirAzul 5

Perigo a vista:  querem piorar a Lei dos Agrotóxicos

Por Jorge André Fauth (via Alternex)*

Acabamos de participar da montagem de mais um circo patrocinado pela indústria dos agrotóxicos.
Utilizando como palco a Sociedade de Agronomia do Rio Grande do Sul, foi desenvolvido um Congresso Estadual para discussão e elaboração da nova lei estadual de agrotóxicos do estado. Estrategicamente, foram enviados para as associações de Engº Agrº informações de como seriam desenvolvidos os trabalhos, através das divisões por grupos. Assim, os representantes das indústrias químicas, escolhendo previamente seus grupos de trabalho, encaminhariam para discussão suas propostas já elaboradas. Estranhamente, as entidades ambientalistas não receberam estas informações, mas somente o convite para apresentar o seu posicionamento frente ao problema dos agrotóxicos. Existe na Assembléia Legislativa do Estado uma minuta de lei do deputado estadual Pompeu de Mattos, cuja discussão tem se arrastado durante todo o ano de 1992, onde toda a sociedade organizada vem participando.

Somente a SARGS nunca compareceu a estas reuniões, alegando que nunca recebeu convite para tal. O que se pode verificar neste “pseudo congresso” foi uma farsa jamais vista, o que vem mostrar cada vez mais o desespero das multinacionais dos agrotóxicos em tentar fazer reverter o quadro para o qual estão caminhando, usando como fachada a classe agronômica para pressionar posteriormente a Assembléia Legislativa do Estado quando o projeto de lei for colocado novamente em votação.

Que documento poder­se­ia esperar de uma reunião onde na sua quase totalidade faziam parte Engº Agrº funcionários das multinacionais de venenos? Resta agora aguardar os anais desse congresso para que se possa analisar as novas proposições que a indústria química tem para a futura legislação estadual de agrotóxicos. Os deputados na Assembléia estão sendo alertados para o assunto.

* O autor é Engenheiro­Agrônomo e, à época do artigo, membro da FOE­BR ­ ADFG ­ Amigos da Terra Brasil.