AgirAzul Memória
Todo o conteúdo editorial da publicação em papel de 1992 a 1998
Pesquise em todo o conteúdo
AgirAzul 5

O Fórum Global da Rio 92

Os Guerreiros do Arco-Íris

Por Arno Kayser*

Uma história indígena da América do Norte conta que uma índia Cree teve uma visão. Neste visão lhe surgiu que em breve viriam grandes mudanças. O verde seria arrancado, o céu se encheria de fumaça, as águas seriam envenenadas e todos os homens, animais e plantas ficariam doentes. Haveria muitas lutas entre irmãos e muita destruição ameaçando a vida. Este tempo viria breve. Mas a profecia também dizia que junto com este tempo surgiria uma nova estirpe de guerreiros em todos os cantos do planeta. Estes guerreiros replantariam o verde, limpariam o céu e as águas e curariam os homens, os animais e as plantas. Esta estirpe de guerreiros seria conhecida como guerreiros do arco‑íris porque viriam sob muitas formas e nomes e seriam um sinal para toda a humanidade. Como todos sabem, o arco‑íris é o símbolo da aliança dos homens com Deus depois do dilúvio. Um sinal de bonança e uma manifestação de beleza produzida na combinação das sete cores do espectro visível. Uma marca de esperança e um testemunho da perenidade da vida.

Embora nossa cultura tenda a confundir guerreiros com soldados, para os povos indígenas este termo tem uma outra conotação. Guerreiros são guardiões sempre atentos para defender a vida de seu povo. Em si são pessoas que não têm nada de diferente das demais. Executam as mesmas tarefas que todo mundo. Porém, quando surge uma ameaça eles se levantam para defender os seus valores, sua terra e sua gente. São os que se sentem responsáveis pela perpetuação da vida de seu povo. Fortes, valentes e generosos.

Esta lenda inspirou o nome do barco do grupo ativista Greenpeace: o famoso “Raimbow Warrior”, um exemplo desta postura em favor da vida que enfrenta os maiores perigos para defender os valores e a natureza deste planeta.

Mas no nosso entender qualquer um de nós pode se converter num guerreiro do arco‑íris. Cada cor simboliza um caminho ou uma maneira de agir. A forma deve ser decidida conforme suas aptidões e vontades. É uma escolha pessoal que se toma consciente de que não se deve esperar glória pessoal nela. O arco‑íris em sua beleza é a soma harmoniosa da beleza das sete cores. Os guerreiros sabem que só revelarão seu exemplo de coragem ao mundo se aceitarem mutuamente a forma de ação do outro e se unirem sem homogeneizar suas identidades. O respeito à variedade de formas de expressão e ação é que produzirá o sinal no céu para devolver a esperança aos homens e mulheres e convocá‑los para agirem nesta grande tarefa de defender o planeta.

O Fórum Global foi uma reunião destes guerreiros. Talvez sua primeira grande aparição em escala global. E os que lá se reuniram sabem que cada um pode se somar a esta força que “replantará o verde e limpará a natureza e o homem”. A destruição que se vê é a pedra de toque para despertar a coragem, determinação e o impulso para a ação. O guerreiro se caracteriza por ter muita consciência em puro estado ativo. Ele sabe que não tem tempo para esperar e está continuamente se aperfeiçoando e adestrando para sua nobre missão. Por isso se você se sente convocado por sua consciência, não espere mais. A causa precisa de cada um para ser vitoriosa.

 

* O autor, à época do artigo, 1993, era presidente do Movimento Roessler de Defesa Ambiental. Rua Tarso Dutra, 106 ‑ 93540‑210 Novo Hamburgo, RS Brasil.